Galeria

Apareceram os feridos do acidente nuclear

O acidente nuclear provocado pelo terremoto do mês passado no Japão acaba de ganhar vítimas. Depois de duas semanas negando que houvesse algum ferido, a empresa que controla a usina nuclear de Kashiwazaki-kariwa , a Tokio Eletric Power Company (Tecpo) afirmou ontem que nove trabalhadores sofreram queimaduras “leves”. A informação foi passada hoje pelo porta-voz da Tecpo, por email, repondendo a perguntas enviadas na segunda-feira por ÉPOCA. Nem a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), sabia da existência de vítimas do acidente.Um grupo da AIEA chegou ao Japão no final dessa semana para fazer uma avaliação do risco das usinas nucleares japonesas. O acidente aconteceu há duas semanas, quando um terremoto de 6,8 na escala Ritcher destruiu a cidade de Niigata, a dez quilômetros da usina.

As queimaduras relatadas pela Tecpo podem ser um indício de contaminação por radiação. Como houve o vazamento de 1,2 mil litros de água do reator para o mar e um incêndio que colocou em risco a usina por mais de duas horas, é possível que alguns trabalhadores tenham sido expostos a materiais radioativos. “Com todos os danos que podemos ver no local. Já esperavamos que alguns trabalhadores tivessem sido expostos a materiais com índices elevados de radioatividade”, afirmou a Rianne Teule, especialista em energia nuclear do Greenpeace da Holanda. A ativista foi uma das poucas pessoas que visitaram a usina depois do terremoto.

Todas semana cresce o grau de seriedade do acidente. A Tepco que, a princípio negou qualquer tipo de problema com a usina, já aumentou de 51 para 65 os danos na estrutura da instalação. A falta de transparência pode ser uma alerta de que a situação em Kashiwazaki-Kariwa não seja tão confortável quanto as autoridades japonesas afirmam. A princípio, a Tepco negou que o tremor de terra tivesse afetado o local. Uma semana depois a empresa admitiu que houve vazamento de água do reator para o mar. Cerca de 465 tambores com lixo radioativo de baixa contaminação também romperam e ficaram expostos ao ar livre.

A dificuldade de obter informações confiáveis sobre o acidente aumenta a insegurança da população japonesa. O Japão é um dos paises mais dependentes de energia nuclear do mundo. São 55 usinas que geram 33% da energia nacional. O país está em uma das região com mais abalos sísmicos do planeta. O governo local sempre garantiu que as usinas eram resistentes a terremotos, mas não foi o que o mundo viu há duas semanas atrás em Niigata.

O país tem histórico de desinformação sobre a situação das suas usinas nucleares. Em 2002, depois de falsificar laudos de inspeção de segurança a Tepco teve 17 de seus reatores desligados. A falta de transparência é um dos fatores que faz do programa nuclear japonês um risco para todo o mundo. Essa foi uma das causas do desastre nuclear de Chernobyl, na Ucrânia em 1986. Estima-se que milhares de pessoas foram contaminadas por radiação. O temor da população que vive em volta de Kashiwazaki-Kariwa e da AIEA é que aconteça algo similar no Japão.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s